#Mamilos é um podcast produzido pela B9.

O Facebook é uma organização que transforma capital social em capital financeiro. Faz isso combinando dados pessoais – idade, preferências político-religiosas, estado civil, etc – com relacionamentos (o gráfico social) e manifestações sobre conteúdo (likes, compartilhamentos, posts). Assim, gera informações que permitem aos anunciantes reduzir os custos com publicidade ou aumentar a eficiência de seus investimentos através de um melhor direcionamento da sua comunicação.

Você é produto

Em suma, o Facebook faz dinheiro segmentando a gente, e vendendo a nossa atenção para anunciantes, políticos e outros. Assim, esses são os verdadeiros clientes da plataforma, para quem ela trabalha com muito afinco para atender.

Entretanto, essa semana, depois da exposição do resultado de mais uma rodada da investigação sobre a Cambridge Analytica, Mark Zuckerberg  viu seu modelo de negócios ficar perigosamente ameaçado.

Cambridge Analytica

Em 2014, a Cambridge Analytica colheu dados pessoais de mais de 50 milhões de usuários do Facebook. De acordo com a própria rede, essas informações foram coletadas através da pesquisa do professor de psicologia Aleksandr Kogan: um app que oferecia um teste de personalidade. Dessa maneira, quem aceitava os termos para participar do teste não apenas fornecia seus dados, mas acesso aos dados de todos os seus amigos.

Isso só foi possível pois o professor tinha uma permissão especial já que os dados serviriam para pesquisa científica. Logo, a violação já começa com a venda desses dados para terceiros. E o ultraje popular ganha força a partir da informação de que o uso desses dados foi essencial para construir um algoritmo que desequilibrou as eleições americanas.

Leia também:  Ruas privatizadas causam conflito no Rio de Janeiro

Na esteira dessas notícias a desvalorização das ações da empresa na bolsa causou um impacto de 50 bilhões na última semana. Assim, Mark Zuckerberg comprou uma página inteira, em uma série de jornais dos Estados Unidos e Inglaterra para veicular seu pedido de desculpas, e reforçar seu compromisso com a segurança dos dados dos usuários.

A polêmica traz a tona uma discussão urgente: quanto dos nossos dados estão expostos na internet? Como estão expostos? Quem se aproveita disso? Quem se importa?

O que podemos fazer?

É sobre isso que vamos conversar hoje, com a ajuda de Flavia Penido, advogada especializada em Direito Tributário, e Pablo Ortellado, professor do curso de Gestão de Políticas Públicas da USP e coordenador do Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas Para o Acesso à Informação.

Abre a mente e o coração e taca-lhe o play neste Mamilos!

CONTRIBUA COM O MAMILOS

Quem apoia o Mamilos ajuda a manter o podcast no ar e ainda recebe toda semana um apanhado das notícias mais quentes do jeito que só o Mamilos sabe fazer. É só R$9,90 por mês! Corre ler, quem assina tá recomendando pra todo mundo.

www.padrim.com.br/mamilos

EQUIPE MAMILOS

Edição – Caio Corraini
Redes sociais – Guilherme Yano, Raphael Primos e equipe
Apoio a pauta – Jaqueline Costa e grande elenco
Transcrição dos programas – Lu Machado e Mamilândia

CAPA

A capa dessa semana foi feita por Gui Yano

FAROL ACESO

Flavia – Livro “O Filtro Invisível”
Pablo – Filme “Projeto Flórida”
Cris – Canal Sinto Muito
Ju – Livro “Um Cavalheiro em Moscou” e filme “Ae Dil Hai Mushkil”

logo depois, imediatamente, frequentemente, ao mesmo tempo, posteriormente, nesse ínterim, simultaneamente