Hoje OCOMPRIMIDO é um agregador de conteúdo, que reúne o melhor da internet e divide em pequenas doses diárias de segunda a sexta*. Falamos sobre política, tecnologia e variedades, sempre oferecendo uma perspectiva que você não encontra em qualquer lugar.

Origem do OCOMPRIMIDO

Tudo começou em 2008, quando alguns jovens, que cursavam diferentes cursos da UFF (Universidade Federal Fluminense) e UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) se reuniram e criaram a Brigada SACI (Socialismo, Agitação, Cultura e Informação). Nosso objetivo era um só: criar uma mídia popular e alternativa, que ajudasse na divulgação dos movimentos sociais e estudantis da cidade.

Depois de meses de reuniões, organização de eventos, manifestações e criação de um periódico impresso, o grupo terminou. Cada um aprendeu muito com a experiência e o meu legado foi a idealização deste site, que toco com a colaboração esporádica de algumas pessoas e autores fixos que enviam seu conteúdo. Meu nome é Thiago Vilela, criador e administrador do OCOMPRIMIDO e da TDV Produções.

Graduado em jornalismo pela Universidade de Brasília (UnB), estudei Belas Artes na Universidade do Porto (Portugal) e Artes Gráficas na RedZero (Full Sail University). Trabalhei como Assessor de Imprensa e Editor de Vídeos na Comissão Nacional da Verdade (CNV). Hoje sou Assessor de Imprensa na Câmara dos Deputados. Ao final desta página você irá encontrar um pouco mais dos demais autores que participam atualmente do projeto.

Desde o começo a minha ideia foi produzir conteúdo rápido que não tivesse saído na chamada “grande mídia“. Uma espécie de “pílula” de informação, que qualquer pessoa pudesse ler e ficar bem informado sobre determinado assunto, ainda que de maneira superficial. “Pílula” seria um bom nome, mas já está muito associada à pílula do dia seguinte. “Comprimido”, por outro lado, possui um leque gigante de significados que combinava com o projeto. “Comprimir” significa exercer ou sofrer compressão, mas pode também significar “reprimir”, “reduzir”. E é exatamente assim que eu via a mídia independente quando comecei esse projeto: reduzida e reprimida pelas grandes corporações que controlam a vida pública nacional.

Em pouco tempo o site começou a ser um sucesso. Em 2010, na sua primeira competição, foi finalista do Prêmio BlogBooks na categoria política, sendo um dos 10 sites mais votados da internet brasileira – competindo diretamente com grandes nomes nacionais. A última vez que participamos de uma competição foi no Prêmio MPT de Jornalismo 2014, em que ficamos em primeiro lugar regional com o web documentário Até Breve, Haiti (o documentário foi resultado de um trabalho de conclusão de curso e é de idealização e autoria de Murilo Salviano, comigo no planejamento gráfico e webdesign). Para saber mais sobre os nossos prêmios, clique aqui.

Poucos meses depois do prêmio do Ministério Público do Trabalho, recém-formado e no mercado de trabalho, acabei desativando o blog. Como ele não oferecia nenhum retorno financeiro (não era a minha intenção), infelizmente foi a saída. Também estava em um período muito conturbado e penando para atender todas as demandas da Comissão Nacional da Verdade (onde trabalhava na época).

10 anos depois

Em 2017, decidi voltar com o blog. Só que de 2008 para cá, a situação mudou muito. Estamos na era das “Fake News”. Por incrível que pareça, é mais confiável se informar pela imprensa, sabendo que ela é parcial e desconfiando de certas narrativas, do que pelas redes sociais e principalmente por correntes do whatsapp.

Luiz Carlos Prestes, certa vez, disse que “para mudar a realidade, antes é preciso aceitá-la”. Ou algo parecido com isso, a gente nunca sabe né… A questão é que, uma vez aceito que a realidade mudou, o projeto também teve que mudar para sair do papel.

Meu principal objetivo, agora, é ensinar os leitores a serem bons leitores. Leitores críticos, que desconfiam de tudo que leem e sempre buscam mais de uma fonte. Independente do seu posicionamento político e da sua visão de mundo, todos devemos nos preocupar em nos informar melhor. E a não compartilhar notícias mentirosas por aí. O site tem um lado, sim, mas não significa que seja a única verdade.

Recentemente (julho, 2018), no aniversário de 1 ano do nosso retorno à internet, OCOMPRIMIDO mudou novamente sua política editorial e passa a ser mais um agregador de conteúdo do que um portal de notícias em si. Tentaremos, de segunda a sexta, trazer o melhor do Brasil e do Mundo – na visão deste autor – ou temas que estão sendo discutidos de maneira rasa pela opinião pública. Ao invés de focar em “notícias em primeira mão” queremos debater questões que devem ser debatidas. Estamos também produzindo materiais audiovisuais inéditos para aguçar o senso crítico de vocês.

Gostou do projeto? Tem alguma dúvida ou sugestão? Não deixe de me seguir no Instagram e Twitter, para acompanhar de perto o meu trabalho. Até a próxima!

*Recomendamos que pelo menos aos finais de semana se diminua o acesso à internet, principalmente no celular (confira 4 truques que nos tornam viciados em celulares). O mínimo que podemos fazer é não publicar conteúdo nestes dias.