Selecione a página

O que pode (ou não pode) numa campanha eleitoral e como será nossa cobertura

Foi dada a largada hoje (16/08/2018) para o início da campanha eleitoral das eleições 2018. Com a mudança na legislação (aprovada no Congresso em 2017) a disputa no primeiro turno irá durar 52 dias, o que significa que os candidatos terão menos tempo do que em 2014 (última eleição) para fazer campanha.

Os 13 candidatos à Presidência da República já estão autorizados pela Justiça Eleitoral a pedir votos. Também serão eleitos governadores para 26 Estados e o Distrito Federal, além de senadores, deputados federais, estaduais e distritais. O primeiro turno ocorrerá no dia 07 de outubro e, nos casos de segundo turno, será no dia 28 de outubro.

O site Nexo fez um material bem legal explicando o que pode e o que não pode numa campanha eleitoral, e queria trazê-lo aqui para você. Ao invés de fazer um textão com todas as regras, fica mais interessante assistir um vídeo. Confira:

Campanha eleitoral

Eu, administrador deste site, em algum momento vou tirar férias do trabalho e participar da campanha do Chico Alencar, candidato ao Senado pelo Rio de Janeiro (e durante este período o site poderá ficar um pouco desatualizado da rotina diária). De todo modo, não pretendo fazer uma cobertura direta das eleições.

Como já expliquei recentemente na postagem de 100 textos e 1 ano depois, a ideia aqui não é tratar da cobertura de fatos que acabaram de acontecer, “no calor do momento”, porque muitas vezes isso pode turvar nossa visão. Prefiro falar de temas numa abordagem diferente, tanto no sentido de construir pontes entre diferentes visões de mundo (como gosta de falar o pessoal do Mamilos podcast, que já divulguei aqui no site) quanto com a intenção de fazer com que o leitor chegue às suas próprias conclusões. Ainda que nem sempre eu consiga atingir este objetivo, seria praticamente impossível atingi-lo se eu ficasse comentando cada bobagem que um ou outro candidato fez ou falou. O site possui um lado, eu possuo um lado, mas isso não significa que não saiba conviver e respeitar quem não concorda comigo.

Propaganda

Sobre o autor

Thiago Vilela

Graduado em jornalismo pela Universidade de Brasília (UnB), estudei Belas Artes na Universidade do Porto (Portugal) e Artes Gráficas na RedZero (Full Sail University). Trabalhei como Assessor de Imprensa e Editor de Vídeos na Comissão Nacional da Verdade (CNV) e hoje sou Assessor de Imprensa na Câmara dos Deputados.

O que achou da publicação?

avatar
1500
  Receber atualizações  
Me notifique